Pergunta

(ENEM – 2007) Textos para as questões 13 e 14: O canto do guerreiro Aqui na floresta Dos ventos batida, Façanhas de bravos Não geram escravos,

Respostas

(ENEM – 2007) Textos para as questões 13 e 14:O canto do guerreiro

Aqui na floresta
Dos ventos batida,
Façanhas de bravos
Não geram escravos,
Que estimem a vida
Sem guerra e lidar.
— Ouvi-me, Guerreiros,
— Ouvi meu cantar.
Valente na guerra,
Quem há, como eu sou?
Quem vibra o tacape
Com mais valentia?
Quem golpes daria
Fatais, como eu dou?
— Guerreiros, ouvi-me;
— Quem há, como eu sou? Gonçalves Dias.

Macunaíma (Epílogo)

Acabou-se a história e morreu a vitória. Não havia mais ninguém lá. Dera tangolomângolo na tribo Tapanhumas e os filhos dela se acabaram de um em um. Não havia mais ninguém lá. Aqueles lugares, aqueles campos, furos puxadouros arrastadouros meios-barrancos, aqueles matos misteriosos, tudo era solidão do deserto… Um silêncio imenso dormia à beira do rio Uraricoera. Nenhum conhecido sobre a terra não sabia nem falar da tribo nem contar aqueles casos tão pançudos. Quem podia saber do Herói?
Mário de Andrade.
A leitura comparativa dos dois textos acima indica que:

a) a abordagem da temática adotada no texto escrito em versos é discriminatória em relação aos povos indígenas do Brasil.

b) os versos em primeira pessoa revelam que os indígenas podiam expressar-se poeticamente, mas foram silenciados pela colonização, como demonstra a presença do narrador, no segundo texto.

c) as perguntas “— Quem há, como eu sou?” (1º texto) e “Quem podia saber do Herói?” (2º texto) expressam diferentes visões da realidade indígena brasileira.

d) o texto romântico, assim como o modernista, aborda o extermínio dos povos indígenas como resultado do processo de colonização no Brasil.

e) ambos têm como tema a figura do indígena brasileiro apresentada de forma realista e heroica, como símbolo máximo do nacionalismo romântic

Respostas

1

Oi! ,

A resposta correta é c) “Quem está aí e o que sou eu?” (Lição 1) e “Quem conhece o herói?” (Aula 2) Eles expressaram visões diferentes sobre a realidade brasileira.

Pois bem, no primeiro artigo de Gonçalves Dias, o personagem do índio é apresentado como heróico, valente e grande homem das artes marciais. Podemos ver o lado mais positivo da vida tribal.

No segundo ensaio de Mario de Andrade, nossa história toma um lado mais sombrio, pois a tribo Makonema se sente desprezada, solitária e desamparada. Assim, o trabalho tem um aspecto cultural mais negativo.

————————————————————————————————————————

2

c) Duas perguntas “- Quem é e o que sou eu?” (Lição Um) e “Quem Conhece os Heróis?” (Segunda Aula) Representam diferentes perspectivas sobre a realidade brasileira.

limpeza:

a letra c está correta

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários
0
Adoraria seus pensamentos, por favor, comente.x